Teste Teste Teste

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Não há prazo para o fim de investigação sobre notícias falsas, diz PF

A PF está investigando a suposta contratação de empresas para disseminar fake news envolvendo as campanhas de Bolsonaro (PSL) e Haddad (PT)  / Fotos: AFP
A PF está investigando a suposta contratação de empresas para disseminar fake news envolvendo as campanhas de Bolsonaro (PSL) e Haddad (PT)
Fotos: AFP
Estadão Conteúdo
 
O diretor de Investigação e Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal, Élzio Vicente da Silva, afirmou nesse domingo (21), que não há um prazo estipulado para conclusão da investigação aberta nesse sábado (20), a respeito da suposta contratação de empresas para disseminar notícias falsas envolvendo as campanhas de Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) à Presidência.
Silva representou o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, na entrevista coletiva conjunta com demais órgãos envolvidos nas eleições, na sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Além dele, estava presente o diretor de Inteligência Policial da corporação, Umberto Rodrigues.
"É imprevisível. Não se trata só de preservar a estratégia, mas seria temerário se falar em um prazo para determinar com clareza (o que houve)", afirmou Silva, ao ser questionado sobre o andamento do inquérito.
O caso tramitará sob sigilo na PF e foi aberto após solicitação da Procuradoria-Geral da República. No pedido, a PGR aponta a necessidade de investigar a "existência de eventual utilização de esquema profissional por parte das campanhas, com o propósito de propagar notícias falsas"
Questionado sobre se a polícia solicitaria as informações reunidas em investigação interna feita pelo WhatsApp, que levou o aplicativo a banir algumas contas na última semana, o delegado disse que não poderia responder devido ao sigilo da investigação, mas ponderou que interessa à PF obter a maior quantidade de informações possíveis.

Ações

Neste domingo, o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Jorge Mussi, decidiu instaurar mais duas Ações de Investigação Judicial Eleitoral (Aijes) contra Bolsonaro e seu candidato a vice, Hamilton Mourão. As ações foram propostas pela Coligação Brasil Soberano (PDT/Avante) e pelo PDT com base em reportagem da Folha de S.Paulo que aponta que o candidato estaria se beneficiando da atuação de empresas de disparo de mensagens em massa via WhatsApp, contratadas por empresários que o apoiam.
Em uma das ações, a Coligação Brasil Soberano pede que Bolsonaro seja declarado inelegível para estas eleições e pelos próximos oito anos, com a declaração de nulidade de seus votos e convocação de novo pleito. 
Fonte :As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
JC.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...