.

quinta-feira, 14 de maio de 2020

Bolsonaro pede que governadores se desculpem por lockdown

Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro fez um novo e forte apelo a governadores e prefeitos nesta quinta-feira (14) para que reavaliem as medidas de restrição adotadas nos Estados por causa da pandemia do novo coronavírus. Bolsonaro criticou os governos locais, mas também disse estar pronto para conversar. O presidente condenou o "lockdown" e disse que "o Brasil está se tornando um País de pobres"; falou, ainda, que, com as medidas de isolamento social, o País vai chegar ao caos.
"Vai chegar um ponto que o caos vai se fazer presente aqui. Essa história de lockdown, vão fechar tudo, não é esse o caminho. Esse é o caminho do fracasso, quebrar o Brasil", declarou. O presidente sugeriu aos governadores e prefeitos que adotaram a "onda" de fechamento que "se desculpem e façam a coisa certa".
Desde o início da pandemia, Bolsonaro se posicionou contra medidas de restrição total e tem defendido um isolamento restrito apenas a grupos de risco da doença. Nos últimos dias, o mandatário assinou decretos para ampliar as atividades essenciais que podem funcionar durante a quarentena, entre elas a reabertura de salões de beleza, barbearias e academias de ginástica.
"Os informais são 38 milhões, já perderam quase tudo. Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho), os informais da América Latina já perderam 80% do poder aquisitivo", argumentou. "Vai faltar dinheiro para pagar servidor público. E ainda tem servidor, alguns, achando que há possibilidade de ter aumento esse ano ou ano que vem. Não tem cabimento, não tem dinheiro", disse.
O presidente afirmou ainda que o País está "quebrando" e que a economia "não (se) recupera". Bolsonaro também cobrou "coragem" para enfrentar o vírus. "Está morrendo? Tá. Lamento, lamento, lamento, mas vai morrer muito, mas muito mais, se a economia continuar sendo destroçada por essas medidas".
"Tem que reabrir. Nós vamos morrer de fome. A fome mata". O presidente se disse ainda disposto a conversar com os governadores. "Então, pessoal, é um apelo que eu faço aos governadores, revejam essa política. Eu estou pronto para conversar".
O chefe do Executivo pontuou que buscará preservar vidas, mas que as "medidas absurdas de fechar tudo" vão provocar a perda de mais de "centenas" de outras vidas.
Fonte: Estadão.
Leia Já.