.

sexta-feira, 31 de julho de 2020

Enfermeiros protestam por melhores condições de trabalho e EPIs


 (Foto: Mariana Fabrício/DP)
Foto: Mariana Fabrício/DP
O Sindicato dos Enfermeiros do Estado de Pernambuco (SEEP) realizou um protesto na manhã desta sexta-feira (31), no bairro do Derby, no Centro do Recife. A categoria pede melhores condições de trabalho, garantia de Equipamento de Proteção Individual (EPI), gratificação de plantão noturno e insalubridade máxima, diante da pandemia.

O grupo se concentrou na Praça do Derby e chamou a atenção de pedestres e motoristas erguendo cartazes pedindo valorização do trabalho. “Tememos por uma nova onda da Covid-19. Os enfermeiros e técnicos de enfermagem foram muito afetados durante a pandemia e o adormecimento acometeu muito a categoria por falta de estrutura e EPIs suficientes”, comenta a diretora do SEEP, Carmela Alves.

Trabalhando na linha de frente da pandemia, os profissionais que trabalham nos hospitais estaduais não recebem insalubridade, nem adicional noturno e estão há 15 anos sem reajuste salarial. Ao todo, 18.894 profissionais da saúde já foram diagnosticados com Covid-19 em todo o estado. De acordo com o SEEP, o governo não recebe a categoria para negociar há cerca de um ano, antes mesmo dos primeiros casos de Covid-19 chegarem em Pernambuco.




"Trabalho como enfermeira há 30 anos. Vou me aposentar no final desse ano sem gratificação, com um salário vergonhoso", comenta Milena Brito, de 55 anos. De acordo com o Sindicato, o salário base de um enfermeiro no início da carreira é de cerca de R$ 1,5 mil e de um técnico de enfermagem não chega nem a um salário mínimo, sendo pouco mais de R$ 700.

Em resposta, a  Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou que tem abastecido a rede com os equipamentos de proteção individual (EPIs) para os trabalhadores da saúde. "A SES tem monitorado permanentemente os estoques e destaca que não houve falta crônica de nenhum EPI durante todo o processo", informou o órgão, através de nota.

As direções das unidades ainda fazem um trabalho de conscientização dos seus profissionais sobre o uso adequado e oportuno dos equipamentos. Todos os profissionais estão sendo orientados quanto às regras citadas e, inclusive, são convidados a participar de capacitações periódicas realizadas pelas Comissões de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) das unidades sobre o assunto.

É importante destacar que o uso adequado dos EPIs busca evitar o desperdício dos equipamentos e o desabastecimento desses itens nos serviços de saúde. Independentemente da circulação da Covid-19, os serviços já seguem protocolos padrões para uso de EPIs, como durante a realização de procedimentos cirúrgicos e em casos de risco de exposição a fluidos biológicos.

Desde 2015 mais de 10 mil profissionais concursados de diferentes categorias foram nomeados pelo Governo de Pernambuco nos hospitais estaduais. Desse total, mais de 3 mil foram chamados para atuar no atendimento aos pacientes da Covid-19.

A respeito dos salários da categoria, a SES informou que os enfermeiros já recebem insalubridade incorporada ao vencimento base desde 2006, a pedido da própria categoria. Já a Avaliação de Desempenho para o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV), que foi iniciada para todos os servidores da Saúde, resultou em um aumento no salário base de 5% no primeiro ano e de 2,5% nos anos subsequentes, para os servidores que foram bem avaliados no processo.

De acordo com a Secretaria, os enfermeiros já recebem insalubridade incorporada ao vencimento base desde 2006, a pedido da própria categoria. Por fim, a SES-PE destaca que mantém o diálogo constante com os servidores estaduais para deliberar sobre as questões apresentadas pelas categorias.
Fonte: Diário de Pernambuco.