.

domingo, 2 de agosto de 2020

Bolsonaro diz que não responde por operações de outro Poder

Adriano Machado/ REUTERS 18.07.2020




O presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo (2) no Twitter que não responde por operações conduzidas por outros Poderes, em meio a críticas recentes à operação Lava Jato feitas pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, e no momento em que mostra sinais de aproximação com políticos investigados na maior ação de combate à corrupção do país.
"Qualquer operação, de combate à corrupção ou não, deve ser conduzida nos limites da lei, e assim tem sido feito no meu governo", disse Bolsonaro. "Quanto às operações conduzidas por outro Poder, quem responde pelas mesmas não sou eu".

Na semana passada, Augusto Aras — escolhido por Bolsonaro para comandar a PGR em setembro passado — fez duras críticas à força-tarefa da Lava Jato em Curitiba ao afirmar, por exemplo, que haveria "caixas de segredos" do grupo, em referência a supostos documentos que não seriam rastreáveis pelo sistema do Ministério Público Federal.

A força-tarefa de Curitiba rebateu o que considerou ser uma ilação feita por Aras e defendeu a atuação do grupo. A discussão sobre a operação ocorre a um mês do prazo para o procurador-geral decidir se vai prorrogar por mais um ano a força-tarefa.

Ao mesmo tempo, Bolsonaro tem se aproximado cada vez mais de políticos investigados na operação, oferecendo cargos no governo a indicados de alguns alvos de investigações — o que contraria uma promessa de campanha. Na quinta-feira, por exemplo, ele viajou ao Piauí e cumpriu uma agenda pública com o presidente do PP, o senador Ciro Nogueira (PI), que é alvo da Lava Jato.


Até o momento, o presidente — que se elegeu ancorado na promessa de combate à corrupção e na esteira de defesa enfática da Lava Jato — não se manifestou publicamente sobre as questões referentes à operação.


O presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo (2) no Twitter que não responde por operações conduzidas por outros Poderes, em meio a
 críticas recentes à operação Lava Jato feitas pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, e no momento em que mostra sinais de aproximação com políticos investigados na maior ação de combate à corrupção do país.

"Qualquer operação, de combate à corrupção ou não, deve ser conduzida nos limites da lei, e assim tem sido feito no meu governo", disse Bolsonaro. "Quanto às operações conduzidas por outro Poder, quem responde pelas mesmas não sou eu".

Na semana passada, Augusto Aras — escolhido por Bolsonaro para comandar a PGR em setembro passado — fez duras críticas à força-tarefa da Lava Jato em Curitiba ao afirmar, por exemplo, que haveria "caixas de segredos" do grupo, em referência a supostos documentos que não seriam rastreáveis pelo sistema do Ministério Público Federal.

A força-tarefa de Curitiba rebateu o que considerou ser uma ilação feita por Aras e defendeu a atuação do grupo. A discussão sobre a operação ocorre a um mês do prazo para o procurador-geral decidir se vai prorrogar por mais um ano a força-tarefa.

Ao mesmo tempo, Bolsonaro tem se aproximado cada vez mais de políticos investigados na operação, oferecendo cargos no governo a indicados de alguns alvos de investigações — o que contraria uma promessa de campanha. Na quinta-feira, por exemplo, ele viajou ao Piauí e cumpriu uma agenda pública com o presidente do PP, o senador Ciro Nogueira (PI), que é alvo da Lava Jato.

Até o momento, o presidente — que se elegeu ancorado na promessa de combate à corrupção e na esteira de defesa enfática da Lava Jato — não se manifestou publicamente sobre as questões referentes à operação.

Na série de postagens no Twitter, intitulada "Combate à corrupção/A Verdade", Bolsonaro disse que "o maior programa de combate à corrupção" foi executado por ele ao não lotear cargos estratégicos, como por exemplo as presidências das estatais, segundo o presidente.

"A Polícia Federal goza de total liberdade em sua missão", afirmou, ao repetir que em breve o efetivo da corporação será aumentado.
Em uma crítica ao ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro, seu ex-ministro da Justiça e atual desafeto, o presidente destacou que com a troca do titular da pasta, "como por um passe de mágica, várias e diversificadas operações foram executadas".
"A Polícia Rodoviária Federal, por sua vez, quase triplicou a apreensão de drogas com o novo ministro", disse, referindo-se à gestão do novo ministro da Justiça, André Mendonça.

Embora não se declare candidato, Moro é apontado como um potencial adversário do presidente na sucessão de 2022. Ao deixar o governo em abril, o ex-juiz acusou Bolsonaro de buscar interferir politicamente na PF.

Bolsonaro conclui seus comentários na rede social afirmando que o governo está "há 18 meses sem qualquer denúncia de corrupção" e que isso tem incomodado parte da imprensa e os derrotados nas eleições de 2018.

Entretanto, o presidente ignorou, por exemplo, o fato de seu ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antonio, ter sido indiciado pela PF em um esquema de candidaturas-laranja e ter sido denunciado pelo Ministério Público de Minas sobre esses fatos.

Além disso, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente, é investigado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro por suspeita de prática de "rachadinha" em seu gabinete quando era deputado na Assembleia Legislativa do Estado.

Fonte: Por Reuters.