.

quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Cocandidatas a vereadoras fazem ato por candidatura coletiva e pedem por inclusão


 

Chapa é formada por Terezinha Nunes, Germana Soares, Carol Aleixo e Cibelle Albuquerque. Foto: Fred Jordão/Divulgação (Foto: Fred Jordão/Divulgação)
Chapa é formada por Terezinha Nunes, Germana Soares, Carol Aleixo e Cibelle Albuquerque. Foto: Fred Jordão/Divulgação (Foto: Fred Jordão/Divulgação)
A chapa coletiva de candidatas à vereadoras no Recife composta por Terezinha Nunes, Germana Soares, Carol Aleixo e Cibelle Albuquerque, realiza ato nesta terça-feira (6) em apoio às candidaturas coletivas que representam as pessoas com deficiência. Pedindo também por mais inclusão, a chapa Inclusivas (MDB) fará uma caminhada da Praça do Entroncamento, no Derby, até a sede do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE), no bairro das Graças, Zona Norte do Recife.
 
"É público e notório que desde a última eleição o TRE aprovou as candidaturas inclusivas, mas esse ano ele quer vetá-las. Estamos com as pessoas com deficiência, que sofrem na pela com a falta de inclusão no Recife. Viemos mostrar que nossa luta não é de brincadeira", afirma a ex-deputada Terezinha Nunes. "Estamos aqui para reivindicar o direito à nossa candidatura coletiva, um direito de representar as pessoas com deficiência, que são esquecidas", acrescenta Cibelle Albuquerque.

As chamadas candidaturas compartilhadas (ou coletivas) vêm sendo objeto de vários debates. Mas, de acordo com a legislação eleitoral, não existe previsão para este tipo de candidatura. O presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE), desembargador Frederico Neves, ao comentar o assunto destacou que "pela legislação em vigor, a candidatura é um ato individual", observou.

De acordo com informações do TRE, a Justiça Eleitoral examinará as condições de elegibilidade e eventuais causas de inelegibilidade de apenas uma pessoa, esclarecendo que somente um nome será admitido na urna eletrônica e será votado, vindo a assumir o cargo e a exercer as funções a ele inerentes, acaso eleito.

Vale lembrar que Pernambuco já conta com um mandato coletivo em andamento. São as codeputadas estaduais Juntas (PSOL), eleitas em 2018 com 39.175 votos. O coletivo é formado pela jornalista Carol Vergolino, pela estudante de letras Joelma Carla, pela ambulante Jô Lima, pela professora Kátia Cunha e pela advogada Robeyoncé Lima.

Fonte :Diario de PE.